Slow fashion

O que é o movimento slow fashion?

Vivemos num mundo que nos oferece cada vez mais opções e conveniência. Todos os dias somos bombardeadas com uma quantidade infinita de opções de compra. É fácil e barato comprar fast fashion, seja online ou numa ida ao shopping. Com certeza já te apercebeste da rapidez com que as tendências das passerelles chegam às lojas onde costumas fazer compras, dos preços baixos que praticam ou da qualidade das peças que vendem.

Para que estas empresas consigam produzir cada vez mais peças a uma velocidade cada vez mais alucinante, isso significa que algo na cadeia de produção está a ser desvalorizado, e muitas vezes estamos a falar dos salários das mulheres que produzem as nossas peças (sabias que 80% dos trabalhadores das fábricas que fazem as nossas roupas são mulheres?), das condições miseráveis e do meio ambiente que sofre cada vez mais com este desequilíbrio. Tudo isto para nos vender a ideia de satisfação imediata e que temos de comprar as últimas tendências para nos sentirmos bem, felizes e integradas.

Guess what? B-U-L-L-S-H-I-T

Quantas vezes já compraste uma peça não necessariamente por que precisavas mas por desejo de ter aquela peça tendência ou por influência de uma qualquer campanha de marketing (guilty!)? Se foi uma compra por impulso, o mais provável é que essa peça seja esquecida e descartada em três tempos.

E isto não seria um problema se acontecesse uma vez, mas como sabemos, não é bem assim. Acabamos a alimentar este ciclo vicioso de uma indústria que não se preocupa com o amanhã nem com questões éticas, ambientais e sociais.

Este é o panorama actual da indústria da moda, mas também está nas tuas mãos mudar isto.

É possível construir um sistema que respeite as pessoas e o ambiente e que crie peças bonitas, conscientes e com história, que nos transmitam felicidade e prazer.

É neste contexto que surge o movimento slow fashion, um movimento que te permite fazer a diferença, um passo de cada vez (nada de fundamentalismos, OK? Se todas fizermos a nossa parte conseguimos fazer a diferença).

O termo slow fashion foi utilizado pela primeira vez por Kate Fletcher num artigo publicado pelo The Ecologist em 2007 (lê aqui o artigo de Kate Fletcher). Este movimento tem uma forte ligação ao movimento slow food, onde os alimentos estão associados a uma maior consciência e responsabilidade. Se a tendência é para comermos cada vez melhor e de forma mais consciente, é também natural aplicar esta abordagem à moda, promovendo atitudes e comportamentos mais conscientes e responsáveis.

Slow fashion está associado a um design, produção e consumo menor e melhor. Qualidade e não quantidade. A uma maior ligação entre todos os intervenientes – designer, criador, peça e consumidor.

Lê também “Slow fashion vs Moda ética vs Moda sustentável”

Eu sei que mudar os nossos comportamentos de consumo, principalmente no que diz respeito à moda, pode ser difícil se não tiveres ajuda e, por isso mesmo, estou aqui para partilhar contigo mais informações sobre este modo de vida e dicas para facilitar todo esse processo. Juntas vamos criar um futuro diferente – mais sustentável – onde cada peça que tiveres no armário te vai fazer sentir bonita sem que ninguém seja prejudicado.

Para isto, basta que comeces por reflectir sobre cada compra que fazes ou pretendes fazer. Será que preciso desta peça? Será que vou usá-la pelo menos 30 vezes? De que material é feita? Traz-me felicidade?

Faz estas perguntas a ti mesma sempre que quiseres comprar uma peça de roupa e não tenho dúvidas de que conseguirás fazer compras mais conscientes. Conto contigo?

Se gostaste deste artigo, guarda-o no Pinterest.