Armário cápsula,  Slow fashion

10 perguntas para destralhares o teu armário sem stress

Eu sei que pode ser complicado desfazermo-nos de peças que nos acompanham nos vários momentos da nossa vida e que associamos a vários sentimentos ou pessoas, mas sabes que está na altura de destralhar o teu armário e simplificar a tua vida quando começas a ficar sem espaço para atafulhar com mais roupa, quando olhas para o armário e não consegues encontrar aquela t’shirt branca que ficava o máximo com as calças que queres vestir, quando encontras uma peça de roupa que já nem te lembravas que tinhas (quem nunca!!??) ou quando não sabes o que vestir de manhã.

Por outro lado, arranjar desculpas e justificações para manter peças de que já não precisas no armário é super fácil. Para além disso, let’s face it… há coisas bem mais interessantes para fazer ao sábado à tarde do que dar uma volta ao nosso armário. Contudo, se pensas muitas vezes que não tens nada para vestir e, ainda assim, tens o armário cheio de roupa, está na hora de parar e avaliar se todas as peças ainda têm lugar na tua vida.

Lê também o artigo “Tanta roupa e nada para vestir”

O primeiro passo é arranjar tempo na tua agenda para tratar desta tarefa. Podes optar por fazer tudo de uma vez – e aí aconselho-te a servires um bom copo de vinho e pôr a tua playlist favorita a tocar – e avaliar cada peça de roupa e/ou par de sapatos do teu armário ou, se a ideia de tratar de tudo de uma única vez te parecer demasiado desafiante, podes dividir esta tarefa em pequenas tarefas e ir fazendo aos poucos. Avalia os sapatos num dia, trata das partes de cima noutro e por aí fora.

No artigo de hoje quero partilhar contigo algumas das perguntas que costumo fazer a mim própria quando estou a tentar decidir se devo ou não manter uma determinada peça no meu armário. Com o desafio do armário cápsula que estou a fazer, cada vez tenho mais a certeza de que quero ter um armário mais minimalista e funcional. Para mim, tem sido a melhor forma de reduzir a minha ansiedade na hora de vestir e simplificar os meus dias.

Lê também o artigo “Projecto 333 – Um armário cápsula experimental”

Como também quero ajudar-te a simplificar o teu armário e, por conseguinte, a tua vida, quando decidires avaliar o teu armário, faz estas perguntas a ti mesma sempre que pegares numa peça:
  • Uso esta peça?

Quando fiz a selecção das 33 peças para o desafio, encontrei várias peças que já não usava há imenso tempo. Se não usas uma peça há muito tempo, a probabilidade de a voltares a usar é reduzida. No entanto, se vestires a peça e ainda te identificares com ela e quiseres dar uma segunda oportunidade, mantêm-na no armário e tenta usá-la nos dias seguintes. Se, passados alguns dias, não lhe tocaste, está na hora de a retirar de vez do teu guarda-roupa. O ideal num armário funcional é termos apenas peças que usamos no nosso dia-a-dia.

  • Está em boas condições?

“Ah, fica para usar por casa…” ou “tenho de levar isto à costureira…” quantas vezes já pensaste isto? É muito fácil manter uma peça no nosso armário que já não está propriamente em condições com a desculpa de que a podemos usar por casa ou que a vamos remendar levando-a à costureira mas está na hora de lhe arranjares um novo destino. Transforma-a em panos para casa, em sacos ou, em última instância, coloca a peça em contentores de reciclagem.

Se pensares melhor sobre o assunto, estes itens só te vão fazer sentir culpada por teres estragado a peça ou por ainda não a teres arranjado. Os acidentes acontecem, tens de seguir em frente.

  • Sentes-te confiante quando a vestes?

Idealmente, todas as peças do nosso armário deveriam fazer-nos sentir maravilhosas e no nosso melhor. Contudo, na prática isto nem sempre acontece! Independentemente do motivo, se aquela saia não te favorece ou não te sentes bem com aquele crop top que insistes em guardar, essas peças têm de sair. Não precisas necessariamente de ir a correr comprar peças novas, mas quando o fizeres, tem em atenção ao que sentes quando experimentas a peça. Se não te fizer pensar “UAU… estou mesmo gira!”, não a compres. Quer queiramos quer não, a nossa roupa é a nossa montra para o mundo e tenho a certeza que queres que a tua roupa transmita a tua confiança e personalidade.

  • Será que outra pessoa poderia dar mais valor a esta peça?

Se pegares numa peça e estiveres indecisa se ainda te identificas com ela ou se te assenta bem, pondera se essa peça não ficaria melhor no armário da tua melhor amiga ou da tua mãe. Às vezes não conseguimos dar o valor que uma peça merece, mas isso não quer dizer que outra pessoa não dê.

  • Favorece o meu corpo?

Quem nunca comprou uma peça tendência que não se adequa propriamente ao seu corpo que atire a primeira pedra. Eu já o fiz muitas vezes no passado e talvez seja por isso que tenho muitas peças no meu armário que não adoro nem me sinto bem ao vestir. Conhecer o teu tipo de corpo é meio caminho andado para fazeres melhores escolhas para o teu armário.

  • É confortável?

Esta é uma característica não negociável para mim. Já lá vão os dias em que não me importava de usar saltos altos super desconfortáveis ou tops sem alças que passava a vida a puxar para cima… quem nunca? Para uma peça ter lugar no meu armário, é essencial que seja confortável e adequada ao meu estilo de vida (mais caseiro, uma vez que trabalho em casa).

  • Serve um objectivo?

As peças que temos no nosso armário devem ser peças adequadas ao nosso estilo de vida e ao nosso dia-a-dia. Contudo, há sempre algumas peças que guardamos para aquelas cerimónias que vamos tendo ou para entrevistas de emprego. O que fiz no desafio #ladyingreen333 e muito provavelmente vou continuar a fazer depois do desafio terminar é ver que eventos tinha durante os meses do desafio e organizar o meu guarda-roupa em função disso. Por exemplo, se sabes que vais ter um casamento, inclui no teu guarda-roupa as peças que tencionas vestir. Se não tiveres mais eventos, guarda as restantes peças em caixas porque muito provavelmente não vais precisar delas.

  • É uma peça sentimental?

Às vezes é difícil separarmo-nos de uma peça por razões sentimentais. Quer seja porque te foi oferecida por uma pessoa especial ou porque te acompanhou num determinado momento da tua vida, pode ser difícil retirares essas peças do teu armário. Se não conseguires mesmo “livrar-te” das peças, aconselho-te a guardá-las numa caixinha e a revisitá-las mais para a frente.

  • Ainda me serve?

Quando pergunto se te serve é se te serve neste preciso momento. Se estás a tentar manter um guarda-roupa com peças que já te serviram, mas que agora não servem, estás a complicar a tua vida sempre que tiveres de te vestir e isso pode ter consequências devastadoras para ti. Se aquelas calças de ganga já não te servem, arranja-lhes uma nova vida. Quando o teu tamanho mudar outra vez, podes sempre arranjar umas novas calças de ganga :). Se o teu objectivo é destralhar o teu armário, tens de ter em consideração o presente e não o passado ou o futuro.

  • Adoro esta peça?

Aquele vestido até pode ser o mais adequado para a tua silheta, mas se não o adoras e não sentes que te traz algo de positivo para o teu dia, então talvez não esteja a fazer nada no teu armário. Mantém no teu armário apenas peças de que gostas mesmo, acredita que isso te vai trazer mais tranquilidade todas as manhãs.

Gostava muito que deixasses um comentário sobre o que te faz decidir manter uma peça no armário ou livrares-te dela.

Lembra-te de que o importante é nunca desistires de seres a melhor versão de ti própria, porque tu mereces ter um guarda-roupa alinhado com os teus valores, gostos e estilo de vida.

Se gostaste deste artigo, guarda-o no Pinterest.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *